AMEAÇA DE FEMINICÍDIO | Mais um caso é registrado na região; agressor estava armado e alcoolizado

O autor foi preso e encaminhado à Delegacia de plantão, juntamente
com o material apreendido

Foto: REPRODUÇÃO/INTERNET

Os números registrados comprovam que, durante a pandemia provocada pelo novo coronavírus, as mais diversas formas de violência contra a mulher aumentaram muito. A principal razão deste aumento negativo é o fato de agressores e vítimas estarem confinados e, muitas vezes, isolados de amigos e familiares.

No caso das mulheres que sofrem um relacionamento abusivo, a psicóloga Pollyanna Abreu explica: "as mulheres que estão em casa com agressores na pandemia estão encurraladas. Elas não têm mais nem mesmo o momento de levar o filho para a escola ou a distância de quando o marido ou namorado sai para trabalhar".

Infelizmente, a violência contra a mulher muitas vezes resulta em crimes ainda mais graves. No último domingo (12), por exemplo, um homem de 63 anos foi preso, suspeito de ameaçar a ex-companheira e por maus-tratos a um cavalo. O fato aconteceu em Riachinho e a denúncia à Polícia Militar foi feita pela própria vítima. De acordo com ela, o autor teria batido e atirado no animal. Depois, amarrou uma corda no pescoço do cavalo e o arrastou com um trator para escondê-lo. Além disso, disse que ele a ameaçou de morte.

Segundo a Polícia Militar, o animal foi encontrado na fazenda do suspeito ainda com uma corda e com marcas de tiro no pescoço. À PM, o homem disse que havia consumido bebida alcoólica e que o cavalo o teria derrubado. Segundo ele, essas teriam sido as causas do crime.

Ainda no local, a polícia apreendeu uma espingarda calibre 36, um cartucho intacto calibre 22, 23 cartuchos intactos calibre 36 e seis cartuchos deflagrados do mesmo calibre. O autor foi preso e encaminhado à Delegacia de plantão, juntamente com o material apreendido.