Criança usa carta para denunciar abusos do padrasto em Grão Mogol

Foto: Polícia Civil

Nessa segunda-feira (10), mais um caso de abuso sexual foi descoberto, na comunidade rural de Grão Mogol, próxima à divisa com o município de Francisco Sá. Através de uma carta, escrita por uma criança de 10 anos, a mãe da vítima descobriu os casos de abusos sofridos pela filha, 30 dias depois do último abuso alegado pela criança.

A menor relatou à mãe que o padrasto cometia as agressões contra ela há alguns meses e, em certa ocasião, colocou sua mão em suas partes íntimas.

 

Olho: “Nós nunca mais vamos ver a cara dele. Beijos, pensa nisso mamãe isso é muito importante tá?” [sic], diz a vítima.

 

O depoimento escrito pela menina será usado como arquivo pelo inquérito que está sendo conduzido pela Polícia Civil. De acordo com a Polícia Civil, o homem foi encaminhado à delegacia com a vítima e a mãe quando a PM recebeu a denúncia, mas não foi preso porque não houve flagrante.

A criança foi conduzida ao IML de Montes Claros e passará por exames. Segundo a PC, eles não descartam que o homem possa tê-la estuprado com conjunção carnal, pois na carta ela trata como a primeira das agressões cometidas pelo padrasto.

Durante o registro do boletim de ocorrência da PM, o suspeito negou as acusações e afirmou que a criança estava se vingando dele por conta de um desentendimento. Segundo o delegado, ele chegou a dizer que tem a vítima como uma filha.

O acusado mantinha um relacionamento com a mãe da vítima há pelo menos três anos. A vítima não soube determinar quanto tempo ela havia sido abusada, mas a PC acredita que as agressões tiveram início nos últimos meses. O homem não tem passagens criminais e deve responder judicialmente pelo crime de abuso sexual, quando o inquérito da polícia for finalizado.