Morre a 13ª vítima da Tragédia de Janaúba

Gabriel Carvalho, de cinco anos, foi transferido para a capital
pouco tempo depois do atentado

Garoto, de cinco anos, estava internado em Belo Horizonte

Morreu nessa quinta-feira (11) mais uma criança vítima da Tragédia de Janaúba, na creche Gente Inocente. Gabriel Carvalho, de apenas cinco anos, estava internado no hospital João XXIII, em Belo Horizonte, e não resistiu aos ferimentos, tornando-se a 13ª vítima do ataque. O menino havia sido transferido para a capital poucos dias após o atentado, por causa da gravidade de seus ferimentos.

A informação do falecimento foi informada por amigos da família e confirmada pela assessoria do hospital. Nos três últimos meses o garoto ficou sob a observação de médicos e era a última criança que ainda se estava internada em consequência do incêndio. No hospital João XXIII, em BH, uma funcionária da creche, a última vítima do incêndio que ainda necessita de cuidados médicos, ainda está internada.

Com a morte de Gabriel Carvalho, sobe para 13 o número de vítimas em decorrência do atentado. Foram 10 crianças (Juan Pablo Cruz dos Santos, Luiz Davi Carlos Rodrigues, Ruan Miguel Soares Silva, Ana Clara Ferreira Silva, Renan Nicolas dos Santos Silva, Cecília Davina Gonçalves Dias, Yasmin Medeiros Sabino, Talita Vitória Bispo, todos com quatro anos, e Mateus Felipe Rocha Santos e Gabriel, ambos tinham cinco anos); e três educadoras: Heley de Abreu Batista, 43 anos, Geni Oliveira Lopes Martins, 63 anos, e Jéssica Morgana Silva Santos, 23 anos.

O 14º morto no incêndio e também o responsável pelo ataque foi Damião Soares dos Santos, de 50 anos, que estava afastado do trabalho por problemas psiquiátricos. Ele morreu poucas horas após o ataque.

O ATAQUE | O incêndio criminoso aconteceu no dia cinco de outubro do ano passado. Na creche estava quase uma centena de pessoas, entre alunos e funcionários. Damião conseguiu acesso com facilidade ao local com a justificativa de que levaria um documento, sobre sua condição de saúde, para a diretora do educandário.

Ele estava com uma mochila, de onde, logo ao entrar em uma das salas, retirou um galão de líquido combustível, o espalhou no ambiente, em si próprio e em algumas crianças. O assassino ainda trancou a porta da sala, antes de abraçar quatro crianças e atear fogo no próprio corpo. A Tragédia de Janaúba ganhou repercussão mundial.