Nas seis primeiras horas, 53 são presos na Operação Alferes Tiradentes

Com mais de 12 mil militares mobilizados em quatro mil viaturas espalhadas por todo estado, a Operação Alferes Tiradentes foi capaz de, em menos de 6 horas, prender 53 pessoas ao abordar 2.500. A ação, que leva o nome do patrono da Polícia Militar e foi lançada na manhã de ontem (6), em comemoração aos 244 anos da corporação. O policiamento especial segue até sexta-feira.

De acordo com o comandante-geral da PM, Coronel Giovanne Gomes da Silva, os alvos escolhidos foram selecionados levando-se em conta mandados de prisão em aberto, zonas quentes de criminalidade e pontos de grande fluxo de pessoas. "O maior ganho a ser contabilizado é a sensação de segurança para o cidadão mineiro, para que o crime não aconteça. Uma vida que deixou de ser ceifada pelo crime já fez com que esse esforço tenha valido a pena", considera o comandante.
Nas operações por todo estado a polícia conseguiu apreender 12 armas de fogo ilegais, sendo que duas delas eram submetralhadoras de grande poder de fogo. Uma das armas ilegais estava com um suspeito, em Rio Branco, na Zona da Mata, que tinha mandado de prisão por violência doméstica em aberto há anos. Houve prisões relacionadas a crimes violentos, tráfico de drogas, autores de assaltos a motoristas de aplicativos e relacionadas à violência doméstica.
Foram apreendidas, também pelo menos 26 barras de maconha e um grande número de porções de crack, ainda não contabilizadas, encaminhadas para a Polícia Civil. Sete veículos que tinham sido roubados ou furtados também foram recuperados.