O melhor de tudo

Um novo ciclo no mundo está em início. E esse ponto é deveras um marco para que possamos repensar nosso caminhar e olharmos no espelho que nos reflete. Bem o que nos espera? Quais são as obras que estão para serem realizadas por nós? E que possivelmente ainda não sabemos! De certo, muitos agora dão gargalhadas de graça pelo ano que passou. Outros estão talvez entristecidos por não terem conseguido realizar os desejos, sonhos ou vontades. E outros ainda estão no aguardo de respostas para iniciarem um ano novo com o pé direito. Vale apena meditar e “retrospectarmos” o que experimentamos no que passou ainda que pese, ainda que não queiramos. Pois no mínimo, quando fazemos essa reviravolta podemos aprender lições com o que falhamos ou até com o que guardamos para depois. Um importante presidente americano e estadista, Theodore Rosevelt orienta que “o único homem que nunca comete erros é aquele que nunca faz coisa alguma. Não tenha medo de errar, pois você aprenderá a não cometer duas vezes o mesmo erro”.

O findar e o início de um novo ano são momentos categóricos quando sabemos aproveitar e tirar o melhor da situação. Às vezes ficamos insatisfeitos com os outros, ou com nós mesmos ao relembrarmos episódios vividos. Talvez esperávamos mais de nós, das pessoas e acreditávamos mais do mundo. Mas não é bem assim que a roda da existência gira. Há um infinito de pessoas ao nosso redor com expectativas, com entendimentos e vivências diversas que em certas situações se convergem e em outras podem se divergir drasticamente. Não é por isso que temos que nos revoltar com alguém ou com um grupo. A falta pode estar em nós! Nossa visão pode não ser a mais perfeita, podemos estar travados e não entendermos alguns desígnios em nossa vida. Mas a verdade, o melhor, a alegria e a gratidão deveriam estar sempre presentes conosco, mesmo com perplexidades, com insatisfações ou intranquilidades, pois há muito mais por agradecer.

Se por acaso o esperado não aconteceu, vejamos que umas cem outras situações agradáveis realmente extraordinárias aconteceram em nossa vida. Pode ser que você não recebeu a palavra certa que queria ouvir de alguém; pode ser que alguém tenha lhe virado as costas; pode ser que não nos concederam a atenção que precisávamos. Naquele momento muito provavelmente ficamos chateados “pra baixo”, sem saber o que dizermos, ficamos ainda consternado com a situação. Vejamos que o melhor aconteceu. Olhemos a nós mesmos e repensemos quantas maravilhas vivemos e quantas ainda temos a oportunidade para viver a partir de agora, a partir do novo. Alguns têm muito, outros têm pouco, outros menos ainda. O ideal é sabermos valorizar o mínimo que temos e fazer desse mínimo o melhor de nós, o melhor de nossa vida. Pois tudo que temos e recebemos é o que merecemos. E se merecemos algo de bom, a gratidão deve sempre prevalecer para que os caminhos se abram em frente a nós e que a nossa visão se abra cada vez mais ao novo e ao que nos espera. O essencial é gratuito e está à espera para que cada um de nós busque a sua parte. Abramos os olhos para enxergar o universo se abrir com o melhor que está a nossa frente.

(*) 1º Ten PM Comandante da 145ª Cia./10º BPM