Paz no Campo denuncia invasão por falsos indígenas

A agitação no MPF de Moc
Foto: GIRLENO ALENCAR

O Movimento Paz no Campo no Norte de Minas participou de audiência realizada no Ministério Público Federal em Montes Claros, sobre a invasão da Fazenda São Judas Tadeu, no município de Itacarambi e que foi ocupada por pessoas que se identificar como remanescentes de indígenas Xacriabás, do Norte de Minas. Desde setembro de 2013 ocorre esse problema e na época o juiz federal Alexandre Ferreira Infante Vieira mandou os invasores a desocupar a área, tendo em vista que ficou comprovado que a área não estava dentro da área delimitada pela Fundação Nacional dos Índios. Porém, as famílias alegam que os acusados continuam ameaçando invadir.

Uma das vitimas da invasão, Minerval da Mota Silva, de 53 anos e que nasceu em Várzea Grande, afirma que os “supostos” indígenas são todos conhecidos e nunca tiveram qualquer vinculação com a raça indígena. A sua posição é reforçada por Valdeci Gonzaga e Donatilia Cardoso, pois lamenta que essas pessoas estejam gerando esse clima de insegurança. São mais de 1.500 hectares que estão sendo ameaçados de nova invasão. Por isso, pedem que a ordem judicial seja cumprida e tomada providencias contra os acusados.

A área pretendida tem um aspecto curioso: é formado pelos distritos de Várzea Grande e Caraíba, onde em dezembro de 2007 ocorreu o único tremor de terra que matou uma pessoa no Brasil: Jesiquele Oliveira, de cinco anos estava dormindo, quando a parede sua casa não resistiu ao tremor e caiu sobre seu corpo. O caso tomou repercussão internacional.