Polícia Civil prende estelionatário que se passava por agente da corporação

A Polícia Civil prendeu nessa quarta-feira (15), um homem que se passava por policial civil. De acordo com a Polícia Civil, Aílton Moreira da Silva, 37 anos, aplicava golpes e fraudes na região, especialmente a oferta de facilitar a retirada da Carteira de Habilitação (CNH) mediante pagamento específico.

A Polícia Civil supõe que o investigado tenha causado prejuízos em torno de R$500 mil juntando todos os delitos cometidos a mais de 20 vítimas.

Na coletiva de imprensa, na manhã de quarta-feira, Ailton Moreira refutou as acusações alegando ser vítima de perseguição.

A delegada da Terceira Delegacia Distrital de Montes Claros, Thalita Caldeira, informou que o suspeito de estelionato, ao se passar por policial civil, enganava pessoas simples da zona rural das cidades de Capitão Enéas e Bocaiuva, ambos na Região Imediata de Montes Claros.

Além desses munícipios, Ailton também teria aplicado golpes em Montes Claros e em Patos de Minas, pertencente à região do Vale do Paranaíba.

Segundo a delegada, “Ele recebeu valores, entre R$2mil e R$6mil, oferecendo facilidades para a retirada da Carteira Nacional de Habilitação”. Ainda de acordo com a delegada, o suspeito, além de se apresentar como policial civil, manteve contatos com as autoescolas, como se estivesse adotando alguma medida para a facilitação. “Depois, não fazia mais nenhum contato e a vítima ficava no prejuízo”, informou a delegada.

“Ele (Ailton) recebeu valores, entre R$ 2 mil e R$ 6 mil, oferecendo as facilidades para a retirada da Carteira Nacional de Habilitação”, disse Thalita Caldeira. De acordo com a delegada, além de apresentar como policial civil, o suspeito chegava a fazer contatos para autoescolas, como se estivesse adotando alguma providência. “Depois, não fazia mais nenhum contato e a vítima ficava no prejuízo”, relatou Thalita.

A delegada afirma que as investigações revelam o envolvimento de Ailton Moreira em outras fraudes, como foi descoberto o fato dele ter utilizado os documentos do pai (idoso) e de um irmão que já faleceu para abri conta bancária, retirar cheques e fazer compras. O suspeito, além disso, teria aberto empresas em nome de terceiros e, portanto, causou prejuízos a instituições financeiras por meio delas.

A Polícia Civil identificou três veículos, dois carros e uma moto, que foram adquiridos de maneira fraudulenta por Ailton. Segundo a delegada, o nome de Ailton Moreira aprece em cerca de 30 boletins registrados por supostas vítimas de fraudes e golpes estelionatários. A delegada afirmou que é possível haver outras vítimas que devam procurar a delegacia para registrar queixas.

O suspeito já havia sido preso por estelionato em 2017, mas por se tratar de crime de baixo poder ofensivo no entendimento do judiciário, ele foi liberado e solto após três dias.

O suspeito alegou perseguição e afirma que é um despachante informal que estava preparando a documentação para ser reconhecido como um despachante profissional. Ele afirmou estar matriculado no curso de Administração via instituição de ensino superior à distância.

Ailton teve a sua prisão preventiva decretada pela prática de estelionato e estará, por enquanto, alocado no Presídio Regional de Montes Claros.