Samu pretende priorizar atendimento as vítimas de acidentes na BR – 135

Pedro Ricardo

O Consórcio Intermunicipal da Rede de Urgência e Emergência do Norte de Minas (CISRUN-Macro Norte), que administra o SAMU no Norte de Minas, quer resolver como ficará o atendimento a pacientes vítimas de acidentes de trânsito na BR 135, no trecho de Montes Claros a BR 040, que passou a ser explorado pela concessionária Eco135 com a cobrança de pedágio. Na segunda-feira (13), durante a reunião da Comissão Intergestora Regional – (CIR) e da Comissão Intergestora da Região Ampliada de Saúde – (CIRA) realizadas no plenário da Câmara de Vereadores de Montes Claros, ficou definido para o dia 30/5 a realização de encontro do Comitê Gestor de Urgência e Emergência do Norte de Minas para  avaliar a parceria entre SAMU e a concessionária Eco-135.

A diretora executiva do CISRUN, Kelly Cristina de Moura Lacerda explicou que como a rodovia está sendo administrada por empresa privada, que cobra pedágio, é necessário que sejam definidas as atribuições de socorro a vítimas de acidentes na via. Isso devido ao fato de a concessionária possuir serviço de socorro a vítimas da BR-135, mas em ambulâncias que não possuem médicos e nem medicamentos. Com isso, em casos de acidentes mais graves, o Samu tem sido acionado e, além do custo financeiro do serviço ficar com a instituição, os municípios localizados às margens da BR acabam ficando sem cobertura de ambulâncias durante os atendimentos de acidentes de trânsito.

Além de representantes da SES-MG, Samu, Cosems, da Central de Regulação de Leitos, Corpo de Bombeiros e da Eco135, dirigentes da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas – (Setop) – que administra o contrato de concessão da BR-135 –, também serão convidados a participar do encontro. As alternativas da concessionária seria montar equipe de alta complexidade ou então fazer acordo de cooperação com o SAMU, com compensação financeira.