Asfalto pago pelos moradores foi arrancado com chuvas

O Ministério Público está investigando como foi realizado o asfaltamento de algumas ruas do bairro Alterosa, pois, em 2015, os moradores tiveram que pagar R$800,00 cada a uma empresa que colocou a pavimentação em locais onde foi realizado o negócio. Porém, bastou a chuva chegar para destruir tudo. Foram 10 famílias da rua Concordia que fizeram este negócio. Geraldo Eustáquio é um dos que pagou os R$800,00. Ele afirma que o drama provocado pela poeira e lama o levou a fazer todo esforço para pagar essa despesa. Hoje, olha com tristeza para o que resta do asfalto, mas espera também que a investigação do Ministério Público obrigue a empresa a ressarcir os moradores. O secretário municipal Guilherme Guimarães ficou surpreso com essa situação, pois afirma que é um absurdo cobrar de pessoas carentes.

A precariedade das ruas é demonstrada pelo pedreiro Paulo Gilberto Pinheiro Silva, residente na rua Maria Domingas da Costa, pois residente no local há 15 anos, e afirma que somente a pé ou cavalo dá para passar ali. Ele lembra que os moradores, quando precisam de um atendimento médico ou policial, ficam sem qualquer ajuda, pois as ambulâncias do SAMU e Corpo de Bombeiros ou as viaturas da Polícia Militar não conseguem chegar ao local. Porém, lamenta que em todos os anos de eleição vários políticos aparecem prometendo e nada. Paulo entrou em um buraco para ser feita a fotografia, onde suas pernas basicamente desaparecem dentro da cratera.

No dia 11 de maio de 2016, os moradores do bairro Alterosa realizaram um protesto para cobrar o asfaltamento de ruas do bairro. Eles  fecharam as ruas Queluz e Operário, contra as falsas promessas de asfaltamento de ruas. O transito ficou interditado por três horas, pois os moradores colocaram fogo em pneus e pedaços de madeira. A Polícia Militar acompanhou toda movimentação, enquanto o Corpo de Bombeiros ficou monitorando e combatendo o fogo. Desde às 5h30 que iniciaram a interdição da rua, até às 8h40 na avenida Queluz. Um boneco cobrando respeito aos moradores foi colocado em buraco aberto no trecho da avenida Liberdade, que ficará de fora do asfaltamento. (GA)