Cultura e ambientalismo marcam atuações no bairro

A Associação dos Moradores do Morada do Parque vive uma situação diferente de quase todas outras que existem na cidade. Tem vida própria e fonte de renda. Na época da  criação do bairro, a Cohab repassou para a entidade a estrutura que tinha montado, permitindo que fosse instalada a sede e ainda uma área comercial e desportiva, que alugada permite cobrir as despesas. Porém, a presidente Leonora Barbosa salienta que seu maior foco é o aspecto ambiental e, por isso, constantemente realiza o plantio de mudas, visando manter o clima agradável que caracteriza o Morada do Parque. O projeto Namorando o Verde tem esse foco ambiental e conta com a adesão de grande parte dos moradores.

Outro viés forte no bairro é a cultura. Foi assim que a associação criou o Grupo de Seresta Namorada da Rua, com a apresentação dos grupos de serestas, tendo em vista que Josecé Santos é de um dos grupos seresteiros da cidade. Com esse espírito cultural e diante da falta de opções para curtir o carnaval de Montes Claros é que surgiu o Carnaval da Morada com a finalidade de reunir os moradores e seus familiares. A bandinha com as marchinhas carnavalescas ficaram responsáveis pela animação. O evento atingiu um nível tão grande de adesão que a associação teve de se afastar do evento nesse ano, por discordar da forma como foi realizado. A organização foi assumida por moradores.

Outro aspecto que chama a atenção da presidente Leonora Barbosa é a urbanização da via que passa ao lado da avenida Francisco Gaetane, que é prosseguimento da BR 365. Ela quer a criação de uma estrada marginal à rodovia, para ser usada por quem tiver interesse de entrar no bairro. Nesse processo, ela considera essencial a construção da Rotatória que ficou de ser realizada pelo Mart Minas, como compensação pelo impacto de trânsito. A mesma coisa acontece com a duplicação da avenida Francisco Gaetane, que foi iniciada e depois suspensa em 2016. (GA)