Entulho em lotes vagos causa transtorno no Bairro Planalto

Registro de um dos moradores do prédio próximo ao local

Moradores do Bairro Planalto - região universitária de Montes Claros - entraram em contato com a reportagem do Jornal Gazeta Norte Mineira para denunciar que lotes particulares têm sido usados, indevidamente, como depósito de restos de construção e outros tipos de entulho. Situação que segundo eles já foi informada tanto para a prefeitura, como para os donos dos locais, mas até o momento nada foi feito para solucionar o problema.

O maior dos lotes ocupados por entulho fica na Avenida Osmani Barbosa, ao lado do condomínio onde o administrador de empresas Edson Ricardo de Oliveira mora. Ele conta que a situação tem incomodado muito os moradores que queixam do aumento de muriçocas em razão do acumulo de lixo.

“Além do aspecto de sujeira, o problema maior é relativo à nossa saúde. Além de entulho, jogam muito lixo doméstico que atrai muitos tipos de insetos. Agora com a chuva o nosso medo maior é o mosquito que transmite dengue e outras doenças”, relata o morador.

Montes Claros possui dez Centros de Apoio Simplificado para Carroceiros (Cascos), que são os locais adequados para a destinação deste tipo de resíduo. Estas unidades, que recebem limpeza constante da Prefeitura, são utilizadas por carroceiros e pela população em geral para o descarte de pequenos volumes de resíduos da construção civil, podas e resíduos volumosos domiciliares, como sofás, tanques e móveis. Mesmo assim, muitas pessoas acabam deixando o material em qualquer lote vago mais próximo.  Durante a visita da nossa reportagem ao Planalto, um carroceiro apareceu para despejar entulho que ele recolhia a poucos metros do lote.

 

 Segundo Edson, flagrantes assim são comuns, e não adianta reclamar com quem está jogando. “Muitas vezes são até agressivos com quem reclama. Temos um posto da Polícia Militar aqui do lado, mas nem isso intimida quem usa o espaço para descartar entulho”, fala.

 

Ricardo Luiz, que é o responsável pela construtora dona do condomínio, relata que o engenheiro da empresa já entrou em contato com a prefeitura da cidade para relatar o problema. “A prefeitura enviou uma equipe da secretária de serviços urbanos, eles avaliaram a situação e disseram que recolheriam o lixo, mas já se passaram oito meses e nada foi feito”, conta.

Ainda de acordo com Ricardo, a construtora tentou entrar em negociação com a prefeitura para cercar o lote e assim evitar que mais lixo fosse jogado, mas foi informado que para isso seria preciso a autorização do proprietário.

“Tentamos falar várias vezes com o dono do lote, mas não conseguimos. Então fica uma situação complicada pra quem mora por perto, e até mesmo pra quem precisa passar por aqui. Acho que a prefeitura devia tomar medidas mais punitivas para quem deixa lotes vagos abertos”, argumentou.

A aposentada Mônica Ribeiro, que há 40 anos mora no bairro, conta que esse é apenas um dos lotes ocupados por lixo na região. “São muitos os lotes vagos sem cerca, carroças e caminhões derramam entulho o tempo todo. Não adianta a prefeitura limpar, porque no outro dia já vai ter lixo de novo. A solução seria obrigar os proprietários a cuidarem das suas propriedades”, afirma.

Desde setembro deste ano a prefeitura de Montes Claros tem divulgado que tem investido no trabalho de recolhimento de entulhos. “Em média, a patrulha mecanizada da Prefeitura recolhe, por dia, 430 toneladas de entulho”. A Secretaria de Serviços Urbanos informou que realiza um trabalho constante para retirar entulho de ruas, calçadas e outras áreas públicas. E que “o material também é recolhido em lotes particulares, mas somente após os proprietários destes espaços serem advertidos pela equipe de fiscalização da Secretaria. Nestes casos, a Prefeitura realiza a limpeza e repassa os custos para o dono do terreno”.

A Secretaria informou ainda que a população pode ajudar a manter o município limpo, denunciando pessoas que estejam despejando entulho em local irregular, e também lotes que estejam com acúmulo de lixo, entrando em contato pelo telefone 2211-4201.

Lote fica em avenida que dá acesso a faculdades